Palíndromo perfeito

A arara ama

Certa vez lí uma crônica de Rubem Alves onde dizia que não havia nada mais bonito do que olhar um Ipê de baixo. Segundo ele, as cores do ipê casavam perfeitamente com o azul do céu. Até hoje eu concordava plenamete. Mas foi só até hoje.
Quando eu saia do restaurante, ao meio dia, ouvi alguém me chamar. Ou foi quase isso. Ok, na verdade foi um resmungo que terminava em "ô". Mas foi semelhante, tanto que olhei para os lados. Então, avistei esta linda arara em um ipê, sorrindo, esperando a foto.
Não consigo deixar de pensar nela como a personificação, ou ararificação, da crônica de Rubem Alves. Com penas amarelas em baixo, como os ipês, e azul do céu nas costas. Um anagrama perfeito.
Foi difícil sair de lá e voltar ao trabalho. Ela parecia não ter pressa e mudava os ângulos para favorecer seu perfil direito. É o mais fotogênico. Chocou para ser modelo. Eclodiu para a fama. Obrigado, mudou meu dia.






Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Itá terá a maior tirolesa da América Latina

Uma cicatriz na alma

Editorial “Tempo, esse devorador de coisas”