A simplicidade que conquista


Sempre fui adepto da simplicidade. Seja em layouts de internet, de jornal, de fotografias, de mensagens, de publicidades, de propagandas e da vida. O exemplo mais presente são os cartazes compartilhados aos milhares nas redes sociais da série “Keep calm”, “mantenha-se calmo”. Hoje quero compartilhar um pouco da história.

Meu favorito
   
A origem dos cartazes

Em 1939, quando a Inglaterra decidiu apoiar as tropas aliadas para enfrentar Hitler e o exército alemão, o governo britânico teve uma ideia original: mandou imprimir três cartazes com mensagens de incentivo à população. A ideia passava por tentar apaziguar os habitantes das zonas de maior conflito e transmitir um sentimento de esperança na futura vitória.
Os cartazes foram produzidos segundo a mesma linha. Tinham duas cores, uma frase e a coroa do rei de então, Jorge VI. O primeiro exemplar revelava “Your courage, your cheerfulness, your resolution, Will bring us Victory”/ “A sua coragem, alegria e determinação vão levar-nos à vitória”. Já o segundo afirmava “Freedom is in peril, Defend it with all your might”/ “A liberdade está em perigo. Defenda-a com todas as forças”. Ambos saíram às ruas em Setembro desse ano e rapidamente se espalharam pelo país fora.


No entanto, o terceiro poster só seria conhecido em 2000. Na época, ficara guardado para ser exposto apenas numa ocasião de ataque, logo acabou por não ser apresentado. “Keep calm and carry on” / “Tenha calma e siga em frente” marca o início da febre “Keep calm”. Encontrado no meio de livros empoeirados num estabelecimento antigo 61 anos depois, o novo dono gostou tanto dele que resolveu pendurá-lo numa parede. Claro que mal imaginava que este pequeno gesto iria levar a tamanho sucesso. A partir daí, resolveu imprimir cópias da imagem e vendê-las aos clientes.



Leia mais: http://obviousmag.org/archives/2012/08/historia_dos_posteres_keep_calm.html#ixzz22mIwekZQ

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Itá terá a maior tirolesa da América Latina

Uma cicatriz na alma

Editorial “Tempo, esse devorador de coisas”