A primeira vez que chorei

Nietszche chorou e ganhou um livro, e eu? Santas de gesso choram e são adoradas, e eu? Eu chorei pela primeira vez. Foi uma descoberta. Fiquei surpreso e mais triste a cada movimento involuntário do meu rosto. O meu choro começou com um grito espremido contra o travesseiro. Aos poucos o grito virou um grunhido que virou um sussurro. A testa franzida de raiva relaxou até chegar a uma expressão de lamento. Minha boca que se abria verticalmente e bradava palavrões, perdeu a força e desabafou tudo o que me agoniava. Foi quando as lágrimas vieram e me surpreenderam. Não achava que estava triste o suficiente para chorar, mas não conseguia controlar meus olhos. Eles escolheram chorar.
Para mim, que nunca havia chorado, chorar foi bom. Limpou minha alma. Normalmente guardo tudo para mim e sou forte. Sou mesmo. Agora, se chorar fosse ruim, não choraríamos. É o que o nosso corpo precisa fazer quando está triste.
Obrigado aos amigos que me deram um ombro e os ouvidos.

Comentários

Andréia Luiza disse…
Dói, fere e machuca! Ohh vida bandida, adorei este texto em especial!

Postagens mais visitadas deste blog

Itá terá a maior tirolesa da América Latina

Uma cicatriz na alma

Editorial “Tempo, esse devorador de coisas”