Uma cicatriz na alma


Nesse momento estou com o rosto franzido, com o coração apertado e com os olhos cheios de lágrimas. Memórias tristes impõem-se. Demorei uns 10 minutos para escrever esta frase e ainda assim meu rosto continua franzido por inteiro. O Projeto Cicatriz (Scar Project) é realmente uma obra de arte. A série de fotografias de sobreviventes de câncer de mama, tiradas pelo fotógrafo David Jay, são impactantes. Jovens mastectomizadas expõem as cicatrizes da guerra contra a doença. Lembro de alguém me dizendo que a arte quer despertar algum sentimento, quer mexer com o público. As vezes rir, as vezes chorar. Simplesmente sentir algo. Neste caso, me fez franzir o rosto como sinal de uma dor mais profunda.
A campanha tem o objetivo principal de "colocar um rosto", cru e inabalável no Câncer. Pagando assim, um merecido tributo à coragem e espírito de tantas mulheres corajosas. Mas a missão do fotógrafo é tripla: aumentar a consciência pública, angariar fundos para a pesquisa e para programas de ajudar às sobreviventes.
Não há beleza na dor. Mas a dor existe e se essa é a melhor maneira de conscientizar as mulheres (e homens) a fazerem os exames preventivos, que assim seja. Eu mesmo estou com vontade de fazê-los.
Um efeito que Jay não imaginava que o projeto teria era que através das simples imagens, as sobreviventes adquirissem aceitação do que aconteceu com elas e algumas, conseguiram a força para seguir em frente com orgulho.











O projeto na íntegra pode ser conferido em http://www.thescarproject.org.


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Itá terá a maior tirolesa da América Latina

Editorial “Tempo, esse devorador de coisas”