Adorno

Quando ele chegou em casa, jogou a chave no primeiro móvel que avistou, e no segundo, lá estava ela. Deitada nua. Rígida e arrepiada. Nem o olhou, agiu como se fosse parte da mobília. Ele flertou e disparou olhares luxuosos sobre ela. Abriu a melhor garrafa de vinho e estendeu-lhe uma taça. Ela bebeu. E corou. Culpa do vinho, pois não havia vergonha em estar disposta como mais uma almofada de prata naquele sofá. Com cabelos negros que passam dos ombros, ela o olhava com serenidade e pena. Ela sabia. E ele pode ver nos olhos dela. Viu e foi-se. Passou parte da noite dirigindo e pensando. No dia seguinte, não foi trabalhar. Com cautela, aproximou-se da mulher e mediu-a. Os pés, as pernas, as coxas, a cintura o busto, os ombros e os braços. Comprou-lhe roupas que desapareciam quando piscava. Contou-lhe histórias, mas ela não guardava o próprio nome. Não falava. Cantou para ela dormir. Dormiu junto. Passou semanas sem sair de casa, mas aquela mulher ainda era um mistério. Mas não podia permanecer mais, saiu para trabalhar. Ao fechar a porta, viu que ela permanecia calma. Ao voltar, desculpou-se. Ela o abraçou e saiu.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Itá terá a maior tirolesa da América Latina

Uma cicatriz na alma

Editorial “Tempo, esse devorador de coisas”