CORAÇÃO

Nem sempre eu acerto,
nem sempre eu bebo,
nem sempre eu durmo,
nem sempre eu converso,
nem sempre me desculpo,
nem sempre eu confesso,
nem sempre eu estudo.

Eu sempre faço o meu melhor,
eu sempre penso no pior,
sempre quis uma fábrica de alfajór,
eu sempre me deixo levar pelo bonito e poético,
a minha mãe sempre é a melhor, cozinheira, amiga e conselheira
e eu sempre "me” perco.

Pedi pra não entrar, depois pra não sair,
Respeitei, respirei, sorri, não chorei, mas senti

Colhi pra não secar, molhei pra não secar,
Sonhei com o florescer, sonhei com o murchar,
Mas no fim sempre corta, divide, racha, fere, espinha, rasga, dilacera, faz em pedaços, aflige, atormenta, machuca, esmaga, aperta, amassa, e corrói o TÍTULO

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Itá terá a maior tirolesa da América Latina

Uma cicatriz na alma

Editorial “Tempo, esse devorador de coisas”